Bruce Springsteen

A excursão Nascida nos E.U.A. começou numa sexta-feira à noite. No domingo anterior, Bruce convidou um cantor ruivo que ele tinha conhecido da cena musical de Jersey Shore para vir a um dos ensaios finais da E Street Band. Um dia depois, a cantora foi contratada e mandada fazer as malas: ela estava na banda, e tinha de estar em St. Paul em três dias.

A decisão poderia ter sido tomada no último minuto, mas Patti Scialfa certamente não era uma quantidade desconhecida quando se juntou à Banda de Rua E. Ela e Bruce eram amigos, tendo estado nos mesmos espectáculos no Stone Pony em muitas noites no início dos anos 80. Patti tinha feito uma tournée com Southside Johnny e os Asbury Jukes, e tinha trabalhado com Tone, a banda David Sancious formada depois de deixar a E Street Band. Tinha sido educada na Escola de Música da Universidade de Miami e na Universidade de Nova Iorque. Enquanto tentava ganhar a vida a tocar música em meados dos anos 70, tinha respondido a um anúncio no Village Voice que levou a uma audição com a E Street Band; tinha até gravado com Bruce no estúdio durante as sessões Born in the U.S.A., estabelecendo uma faixa vocal que não foi utilizada em disco.

Bruce tinha usado vocais femininos no passado na sua música, sobretudo durante o período de cinco meses de Suki Lahav numa encarnação precoce da banda, mas acrescentar uma cantora a tempo inteiro, “rebentar o clube dos rapazes”, como Bruce observou anos mais tarde, foi uma grande mudança. Inicialmente, o seu papel era certificar-se de que “alguém vai bater essa nota, todas as noites”, mas ter uma mulher na banda também forneceu um novo elemento para o impacto visual da banda. A interacção homem/mulher que foi possível com a presença de Patti tornou-se uma parte fundamental da digressão Tunnel of Love em 1988, com Patti num papel de destaque no palco central com Bruce em “Tougher Than the Rest,” “Tunnel of Love,” e “One Step Up,” entre outros.

Having apaixonou-se na digressão Tunnel, Bruce e Patti casaram em 1991; têm três filhos. O equilíbrio de Patti na sua vida doméstica e o seu papel na actual Banda de Rua E levou à sua ausência periódica do palco, com Bruce a notar humorosamente que, com adolescentes em casa, “o forte deve ser guardado”

Rumble Doll, o álbum a solo de estreia de Patti, foi lançado em 1993. Seguiu-se em 2004 a 23rd Street Lullaby, juntamente com a sua primeira digressão a solo (com um convidado especial chamado Bruce a aparecer de vez em quando). Ela também abriu o espectáculo final da digressão Vote for Change na Continental Airlines Arena, em 2004. Quando o seu álbum mais recente, Play It as It Lays, foi lançado ao mesmo tempo que uma digressão da E Street Band, Patti’s “Town Called Heartbreak” foi acrescentado ao conjunto da E Street, interpretado como um dueto entre Patti e Bruce na primeira etapa da digressão Magic em 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *